Conheci a Céu Guitart em 2003, meses depois de ter fundado a organização sem fins lucrativos a que ainda hoje preside, para defesa dos direitos da criança e apoio à família – a IPSS Meninos de Oiro, filiada na União Distrital das Instituições de Solidariedade Social de Setúbal. Nos 14 anos seguintes, ao longo dos quais nos voltámos a reunir várias vezes, tive a sempre grata oportunidade de acompanhar o trabalho da instituição, sobre a qual mantenho a melhor opinião, e de ver o seu resultado.

Do ponto de vista social, para os cerca de 300 utentes das localidades do distrito de Setúbal que apoia, a Meninos de Ouro tem desempenhado um papel que deve ser compreendido e promovido pelos parceiros sociais, para que mais rapidamente atinja uma dimensão que lhe permita aumentar o raio de acção e a esfera de influência no distrito – nesse caso beneficiando a população, autarquia e o país. Para que isso aconteça, é fundamental que a Câmara Municipal de Setúbal dê um exemplo de visão inequívoco, sobre a centralidade do papel das instituições de solidariedade no plano do desenvolvimento local e nacional.

Ontem, voltei a encontrar-me com a Céu Guitart. Reunimos na sede da Meninos de Oiro, em Azeitão. É digna, mas demasiado pequena. Conversámos sobre os resultados obtidos e as dificuldades do projecto das novas instalações, aprovado pela autarquia e pela Segurança Social, que penso que mais do que se justificariam, considerando a idoneidade da obra da instituição e as necessidades do distrito de Setúbal. Em 2010, a Câmara Municipal de Setúbal cedeu um terreno à instituição que entretanto lhe retirou, sem justificação plausível, criando uma situação que é preciso e urgente ultrapassar.

 

Neste vídeo, Céu Guitart explica o que é a instituição a que preside, o seu principal projecto e a relação com os parceiros sociais.

 

10 problemas do sector social (2)
Quatro opções do sector social