Este é seguramente um livro que aconselho, de um economista com um entendimento muito realista sobre o mundo actual e de qual o caminho a seguir para acabar definitivamente com pobreza extrema globalmente, com o qual não tive qualquer dificuldade em identificar-me, quando o li pela primeira vez, em 2005. Se aconselho a edição em inglês, foi por ter sido justamente a que li. Mas também se encontra publicado em português e conta com o prefácio de Vítor Melícias.

No livro, que não poupa a duras criticas os organismos financeiros internacionais e os Estados Unidos, em particular, Sachs traça um mapa conceptual da economia mundial e defende que a pobreza extrema pode ser globalmente eliminada até ao ano 2025, caso os países mais ricos do mundo o desejem.

We can realistically envision a world without extreme poverty by the year 2025 because technological progress enables us to meet basic human needs on a global scale and to achieve a margin above basic needs unprecedented in history.

Jeffrey Sachs in Our Generation’s Challenge

O autor explica, com uma simplicidade que se torna acessível a todos, como a riqueza se tornou desigual nos últimos 200 anos, deixando expostos os motivos que impedem as nações mais pobres de melhorar a sua situação, e demonstra como fazer um diagnóstico aos desafios económicos que um país enfrenta e encontrar possíveis soluções. 

Explorando a ideia da força dos mercados globais para emancipar os mais pobres, o economista norte-americano avança com propostas claras e propõe que 0,7% do orçamento do produto nacional bruto dos países desenvolvidos seja destinado à ajuda oficial aos países em desenvolvimento (AOD), renovando uma proposta de 1970 da Organização das Nações Unidas. Em números percentuais, menos de 1% é um valor baixo, mas em números absolutos seria um grande valor alocado para o extermínio da pobreza extrema.

At the most basic level, the key to ending extreme poverty is to enable the poorest of the poor to get their foot on the ladder of development.[…] The extreme poor lack six major kinds of capital:

• Human capital: health, nutrition, and skills needed for each person to be economically productive

• Business capital: the machinery, facilities, motorized transport used in agriculture, industry, and services

• Infrastructure: roads, power, water and sanitation, airports and seaports, and telecommunications systems, that are critical in- puts into business productivity

• Natural capital: arable land, healthy soils, biodiversity, and well functioning ecosystems that provide the environmental services needed by human society

• Public institutional capital: the commercial law, judicial systems, government services and policing that underpin the peaceful and prosperous division of labor

• Knowledge capital: the scientific and technological know-how that raises productivity in business output and the promotion of physical and natural capital Jeffrey Sachs in Making the Investments Needed to End Poverty

Este vídeo, resume um dos ângulos de Sachs em relação à posição dos países ricos.
Trata-se de uma pequena parte de um depoimento feito à Global Citizen, em 2015.
 
Charity Case